O investimento imobiliário e taxas: títulos e cobranças

O investimento imobiliário e taxas: títulos e cobranças

Créditos, taxas de juros, títulos do Tesouro Nacional e os investimentos de um negócio do ramo imobiliário estão muito mais ligados, um ao outro, do que o que se pensa. É preciso levar em conta estes e outros aspectos que permeiam o cenário do mercado de investimentos imobiliários e suas taxas. Esse ramo do negócio, mesmo em tempos de crise, se mostram como uma fonte para negócios de bom lucro.

O investimento imobiliário e taxas: títulos e cobranças
O investimento imobiliário se mostra como promissor em matéria de investimento. Mas, não é seguro esquecer as taxas que o permeiam.

CRI’s: uma boa opção para investir no mercado imobiliário

Falar desse tipo de negócio é trazer para perto os Certificados de Recebíveis Imobiliários, ou CRI’s. Na prática, eles são títulos que podem ser vendidos , e que oferecem créditos para quem os compra. Investindo no mercado imobiliário é preciso levar em conta a presença das taxas. Elas, muitas vezes, fazem um investimento valer ou não a pena. Pois, variando poucas casas decimais, para cima ou para baixo, podem mudar completamente o efeito de um investimento.

Os certificados captam e oferecem recursos aos investidores a fim de movimentar a máquina econômica que faz não apenas esse ramo de negócio andar. Ela movimenta tantos outros que existem no ambiente de produção e distribuição de dinheiro em um país. E é aqui onde moram os riscos ou vantagens de ser um investidor. Para todas as taxas que se conhecem, nos mais diferentes tipos de transações, a SELIC é quem movimenta e gera todas elas. Não é diferente com os investimentos imobiliários. Este ramo do mercado se mostra interessante, mas suas taxas podem variar muito.

Taxa SELIC, qual sua interferência no mercado de investimento imobiliário?

O Sistema Especial de Liquidação e Custódia, ou Selic, entra nessa história quando o assunto é taxas. Ainda que cada banco ou instituição imobiliária tenha sua taxa específica de juros, esse programa influencia em todas as taxas administradas no país. O valor desta taxa varia de acordo com uma necessidade básica do Estado. Sem dúvida isto é sentido na necessidade da movimentação de dinheiro para gerar investimentos e lucros, para empresas e pessoas físicas. É também assim que se alimenta a economia de um país.     

Só para ilustrar, os títulos imobiliários, por exemplo, pertencem ao Tesouro Nacional e são adquiridos por pessoas jurídicas ou físicas. E o sistema utilizado é a Selic. Com as oscilações na taxa de juros, os títulos também sofrem essas alterações e acabam se tornando mais ou menos valorizados nas mãos dos investidores. As instituições financeiras, por sua vez, têm por finalidade mediar o contrato entre clientes e investimentos no mercado financeiro. Assim, os valores dos títulos e das taxas acabam retornando ao Banco Central. O que explica isto é o fato de empresas receberem valores cada vez maiores. O resultado disso é o pagamento obrigatórios de taxas, conforme a lei, da parte delas.

Aqui estão as pequenas transações realizadas todos os dias, por investidores oficiais ou não. Elas também alimentam a economia de um país, gerando renda para grandes negócios e estimulando novos investidores que desejam iniciar o negócio. Afinal, investir no ramo de imóveis, assim como em qualquer outro, têm seus custos mas pode valer muito a pena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *